FADAS E OUTROS SERES MÁGICOS

Para qualquer informação, sugestão ou encomendas, podem enviar e-mail para terradecores@gmail.com

27/02/12

Origens e técnicas de feltragem

Para quem gosta de saber um pouco mais sobre estas técnicas, que tento ir aprendendo sempre um pouco mais, porque me fascinam, aqui ficam algumas informações sobre o feltro e o processo de feltragem.
Fui pesquisando na net e acrescentei alguns pormenores meus.

A arte de trabalhar o feltro é muito antiga e pensa-se que teve origem na Ásia (Mongólia, na Turquia). Os vestígios arqueológicos mais antigos que foram encontrados datam de 600 a.C.. No entanto, há quem acredite que os homens já conheciam a fabricação do feltro muito tempo antes. Desde esta época o feltro é então utilizado para vestuário, tapetes, mantas e diversos tipos de artigos de utilidade - até mesmo tendas, que ainda hoje são os alojamentos de povos nómadas asiáticos.

Há muitas lendas sobre a origem do feltro. Conta uma lenda, que na Arca de Noé encontravam-se, entre outros animais, ovelhas num espaço muito pequeno. Devido ao calor, as ovelhas perdiam a lã e, devido à acção da urina (a lã feltra-se melhor na área alcalina) e das patadas dos bichos, após o desembarque, um grosso tapete de feltro tapava o chão da arca. As características positivas do feltro eram estimadas desde então e têm sido reanimadas e desenvolvidas nos últimos anos, muito também na área pedagógica.

Essencialmente existem dois tipos de feltro: o industrial (que normalmente é o mais conhecido pela maioria das pessoas) e o artesanal.


Feltro Industrial


Este tipo de feltro é considerado não tecido (TNT) e é feito de lã ou outros pelos (coelho, camelo, alpacas, etc.) ou ainda de outras fibras artificiais. As fibras são agregadas por meios mecânicos (calandra, que não tece, apenas compacta), produzindo o feltro através de uma prensa com inúmeras agulhas próprias para o efeito, que batem imensas vezes sobre a manta de fibras.

O feltro industrial tem imensas utilizações, como por exemplo, chapéus, tapete, chinelos, decorações e outros trabalhos artesanais.

Normalmente é comercializado ao metro ou em folhas.


Feltro Artesanal

 

 Inseridas na feltragem artesanal estão, pelo menos, duas técnicas mais conhecidas e distintas: a feltragem com agulha (needleting) e a feltragem com água e sabão (wet felting).

A feltragem com agulha pode ser executada com uma ou mais agulhas, criando peças tridimensionais ou planos e é designada muitas vezes por feltragem seca.

Normalmente a lã de feltrar com agulha existe em dois tipos: em manta (mais áspera e irregular) e penteada (em mecha, mais lisa e macia).

AGULHAS DE FELTRAGEM

Créditos daqui



Créditos daqui
As agulhas de feltrar são específicas para este efeito, por terem pequenos esporos ao longo da sua zona final, que permitem entrelaçar as fibras da lã, quase de forma mágica. Picando a lã sobre uma esponja, depressa se conseguem prender as fibras de forma resistente.

Existem diversos tipos e tamanhos de agulhas de feltrar e que utilizam com diferentes objectivos.

O número, a forma da ponta e o ângulo da ranhura da agulha determinam o tipo de lã e a precisão do trabalho a executar. Quanto mais fina for a agulha, maior a precisão. O diâmetro varia de 32 a 42 (super fina). Existem 16 tipos diferentes de agulhas específicas. A mais utilizada para trabalhos regulares é a número 38 (tamanho médio).

A feltragem com água e sabão consiste na fricção das fibras de lã, humedecidas com água (morna ou quente) e sabão (de azeite é o mais utilizado). È um processo mais demorado e contínuo até se atingir o efeito desejado.

Um dos processos utilizados para wetfelting é a colocação da peça de lã na máquina de lavar a roupa a alta temperatura. As fibras vão entrelaçar-se com o auxílio da temperatura, da água, do movimento mecânico e do sabão.

Podem também colocar-se perpendicularmente entre si diversas camadas de lã (penteada), adicionar o sabão e água com a ajuda de um borrifador e esfregar com movimento cíclicos e circulares, que permitam que as fibras se entrelacem.

Esta técnica possibilita elaborar diferentes peças, como roupa, chinelos, chapéus, colares, anéis, etc.

26/02/12

Waldorf...

Ando há algum tempo para deixar aqui algumas explicações das Bonecas Waldorf...

As fadinhas de feltro, pelo que aprendi, podem ser consideradas como tal...
Como me costumam perguntar: porque é que as fadinhas não têm olhos? Não têm expressão? Há quem as faça e muito bem, com olhos, boca, bochechas... e eu também gosto... mas as que não têm expressão, têm uma explicação.


Para tentar ajudar a explicar esta lógica, que pode ser considerada como um método pedagógico e uma filosofia de vida, deixo-vos estes textos (com a indicação da respectiva origem).


A pedagogia Waldorf é um dos frutos da antroposofia apresentada por Rudolf Steiner (1861 –1925) em numerosos livros e conferências. Em 1919, Emil Molt, director da fábrica de cigarros Waldorf – Astoria em Stuttgart (Alemanha), perguntou a Rudolf Steiner se podia criar uma escola para os filhos dos trabalhadores da fábrica. A fundação dessa primeira escola Waldorf teve lugar em Setembro de 1919. Para preparar a equipa de professores, Rudolf Steiner deu-lhes um curso composto por uma parte antropológica, uma metodológica e outra didáctica. Nos anos seguintes continuou a formação de professores no próprio colégio e através de conferências e cursos na Alemanha, Suíça, Áustria, Holanda, França e Inglaterra.
Nas escolas Waldorf o plano de estudos tem sido recriado com a prática, mantendo o essencial desta pedagogia que é a concepção antroposófica do ser humano. Na sua essência, a pedagogia Waldorf não pode ser aplicada segundo programas pré-definidos, surgindo da prática individual de cada educador e do encontro concreto entre este e a criança, com a colaboração dos pais.
Para os educadores a tarefa radica em orientar a criança no seu caminho, tendo presente de onde vem, para onde vai e como a poderá ajudar, cuidando que se possa desenvolver saudavelmente até alcançar a autonomia pessoal, quando viver em liberdade é viver com responsabilidade.
Reconhecida pela UNESCO, a pedagogia Waldorf tem um plano de estudos utilizado por mais de 1400 jardins-de-infância, 600 escolas e centenas de centros onde se aplica a pedagogia curativa, espalhados por mais de 65 países de todos os continentes, tendo sido adaptado com sucesso a diversos contextos culturais.

Bonecas Waldorf Estimulam a Imaginação

As chamadas 'Bonecas Waldorf', cuja confecção é baseada na pedagogia de mesmo nome, são totalmente diferenciadas pelo facto de respeitarem e estimularem a imaginação da criança. Longe de reproduzir 'fielmente' as particularidades da figura humana, deixam para a fantasia infantil a actividade criadora, simplesmente sugerindo possibilidades, por exemplo, de fisionomia.
Além disto, por intermédio da boneca a criança pode aprender a conhecer-se a si própria num processo de 'espelhamento', a exercitar os relacionamentos sociais, a cuidar do próximo, etc. A boneca (ou boneco) também pode exercer o importante papel de companheiro, de confidente. Por este motivo, é uma poderosa ferramenta para os educadores. Com este foco, sua confecção deve respeitar os anseios interiores da criança e ter qualidade para poder acompanhá-la por longos períodos.
As bonecas são confeccionadas de forma artesanal, com a utilização (inclusive no enchimento) de materiais inteiramente naturais: malha e tecidos de puro algodão, feltro de lã e fios de lã pura de carneiro. Este critério visa a familiarizar a criança com o mundo natural por meio de seus materiais, nos quais ela aprende a reconhecer cor, textura, forma, peso, etc. Além disso, o manuseio da boneca é agradável e aconchegante, motivando uma ligação estreita e carinhosa com ela.

Retirado e adaptado de Antroposófica



Deixo-vos o site de quem, pelo que sei, iniciou a execução das fadas, da forma como eu aprendi a fazê-las...
Este é o site:

Tem fadas, elfos e seres mágicos lindos... :)

Esta artista é a autora de um dos livros que vos falei aqui.
Assim, cada um de nós que tem fadinhas destas a voar pela casa, poderá imaginar a magia e ainda que cara, sentimento ou espírito nos transmitem a cada dia ...

Fiquem bem...

25/02/12

Tutorial Nº 14 - Finalmente o tutorial das fadas !

Continuando com a partilha de experiências e conhecimentos e depois de imensos pedidos para mostrar o passo-a-passo das fadinhas, feltradas com agulha (needlefelting), cá fica a minha tentativa... deu muito trabalho e, como é óbvio, não se conseguem mostrar todos os pormenores!
Só ao vivo, com paciência e depois de muitas tentativas e dedos picados, se vai conseguir realmente perceber toda a magia desta lã de merino.

Mas espero, que com este passo-a-passo já consigam aventurar-se a experimentar e acima de tudo terem a percepção do trabalho envolvido na construção de uma simples fada !

Esta é uma das formas que executar as fadinhas, mas existem outras. Esta não é certa nem errada, foi aquela que aprendi a fazer (com a Maria Carmo, da Loja Bolas de Tons) .


Aproveitem e experimentem !

Agradeço que não reproduzam as imagens sem a minha autorização :)

Material:
- agulhas de feltrar (uma de tamanho grande (L) pode dar, mas é natural que possam parti-la, por isso aconselho a terem mais do que uma) - e se puderem comprem também uma agulha de tamanho fino; em alternativa a terem 2 agulhas de tamanho diferente, podem comprar o tamanho M, que já dá para quase tudo;
- esponja para feltrar;
- lã de merino (mecha de lã) - eu prefiro a lã penteada em banda. Em cor de pele e pelo menos mais 2 ou 3 cores para fazer as saias da fada;
- limpa-cachimbos (para os braços);
- fio de nylon (cerca de 50 cm para uma fada);
- agulha grossa (com buraco suficiente para passar o fio de pesca), que servirá para enfiar o fio na fada (pode ser tipo arraiolos, mas com bico dá mais jeito);
- alicate pequeno, também pode ser útil.

Bola / Cabeça

Passos 1 e 2 - Com um pouco de mecha (podem ser desperdícios - vão perceber que ao fim de algumas fadas, já sobram restos de lã que dão perfeitamente para as cabeças), enrolem e piquem no fim de enrolar tudo.

Passos 3 e 4 - Piquem e piquem... (se preferirem no início, com a ajuda de outra agulha, para não se picarem, mas sem fazer muita força, porque podem parti-la), tentando ir dando forma de uma bola.

Passos 5 e 6 - Com mecha de cor de pele, enrolem mais um pouco de lã e piquem até formar a bola para a cabeça, até atingirem o tamanho desejado (para uma fada média, cerca de 3 cm) mas sem que se veja a cor de dentro (se esta for diferente da cor de pele).

Para estes primeiros passos utilizem a agulha grossa (mais larga), onde ainda não é necessário fazer modelação pormenorizada e não há problema de se notarem os furos da agulha na lã. Verão que produzem mais depressa.
Quem quiser experimentar, pode utilizar os suportes de multi-agulhas (há para 4 e 6 agulhas). Há quem não goste de os utilizar por não se adaptar ou porque o risco de se picarem é maior! Eu utilizo sempre! :)


Cabeça / Pescoço

Passo 7 - Com uma mecha de cor de pele, com cerca de 20 ou 25 cm de comprimento, retirem duas mechas muito finas da parte lateral da mecha principal.

Passos 8 - Estendam uma das mini-mechas da esponja e coloquem perpendicularmente a mecha mais larga. Apertem com um nó de forma a fechar a mecha larga a meio do comprimento. ATENÇÃO: a mecha quando se pega perto do local a apertar não se desfaz (é forte), mas se a prenderem com os dedos longe do local do nó, vão perceber que ela desfaz-se logo.

Passo 9 - Coloquem a bola previamente executada no meio da mecha já apertada, segurem com força de modo a que a mecha fique bem estendida e prendam com o dedo.

Passo 10 e 11 - Coloquem a outra mini-mecha entre o dedo que segura e a própria mecha e vão enrolando. Primeiro com a parte da mini-mecha de um lado e depois finaliza-se com a do outro lado. No fim pica-se ligeira mas firmemente para prender o pescoço.

Passo 12 - Depois destes passos executados, irá ficar como ilustra a figura.


Braços

Passo 13 - Necessita de duas mini-mechas de cor de pele, com cerca de 20 cm de comprimento e um limpa-cachimbos.

Passo 14 e 15- Comece a enrolar uma das mechas a cerca de 2 ou 3 cm de uma das extremidades. Enrole até ficar com cerca de 0,5 cm de limpa-cachimbo sem lã, mas com o cuidado de ir sobrepondo a lã, não deixando a cor do limpa-cachimbo à mostra.

Passo 16 - Dobrem o limpa-cachimbos de forma que na dobra fique sempre cor de pele.

Passo 17 - Continuem a enrolar com cuidado e sempre com a lã esticada, tapando o remate da dobra e até acabar a lã, como se mostra na figura.

Passo 18 - Repetir os passos anteriores para a outra extremidade.

Passo 19 - Retirem duas mini-mechas da cor que querem para os braços com cerca de 25 cm de comprimento(se quiserem fazer uma fada de manga curta ou manga cava, continuem os passos seguintes com lã cor de pele. Ou podem optar por colocar duas cores na manga ou enrolar um fio de lã fino, para fazer uma espiral.

Passo 20 - Comecem a enrolar uma das mini-mechas, um pouco antes da mão da fada (sempre com a lã esticada e não enrolada).

Passos 21 e 22 - Quando chegarem à zona do "punho" comecem a enrolar para trás (sempre com o cuidado de tapar bem o limpa-cachimbo mas não deixando zonas com mais lã porque isso iria deixar zonas mais grossas no braço.

Passo 23 - Repetir os passos anteriores para a outra extremidade.

Passo 24 - Coloquem o arame dos braços, abrindo ao meio a mecha que sobrou da cabeça, junto ao pescoço. Segurem firme com o dedo e com uma mecha da cor dos braços, enrolem na diagonal, começando por cima e traçando nas costas e à frente. Enrolem até acabar a mecha e piquem onde esta acabar, para prender.

Ups! Dei conta que saltei para a foto 25, mas a sequência esta certa!

Primeira saia

Passo 26 - Preparem uma mecha grande (com cerca de 30 cm - dependendo do tamanho da fada que pretendem), da cor para a base da saia (ou corpo da fada). Eu defendo que o branco fica sempre bem com todas as outras cores, mas também já vi e fiz fadas com outras cores de base, que ficaram muito bem.
Preparem, além da mecha grande, mais 4 mechas adicionais de branco, com cerca de 12 ou 15 cm de comprimento.

Passo 27 - Abram a mecha a meio, na zona média do seu comprimento.

Passo 28 - Insiram a mecha da cabeça na abertura executada anteriormente, como mostra a figura e até à zona dos braços.

Passos 29 e 30 - Piquem a lã, segurando com a outra mão o corpo da fada (será mais fácil). Vão picando e rodando, de forma a picarem de todos os lados.

Passo 31 - Para a saia da fada não abrir, piquem com a agulha (fina, se tiverem), com cuidado e pouca força, de forma a juntar as duas partes separadas.

Passo 32 e 33 - Com as mechas mais pequenas, comecem por colocar uma de cada vez, dos dois lados, trás e frente, picando para prender debaixo dos braços. Tenham o cuidado de ir abrindo a mecha (não em demasiado), mas para ir ocupando o espaço onde falte mais lã.

Esta é grande diferença (truque ou segredo :) ! ), para as fadas que ficam mais "magras". Ao colocarem estas 4 mechas vão dar volume ao corpo da fada e comecem desde esta altura a dar forma (de gota ou funil).


Primeira e segunda cor / Cinto

Passo 35 - Preparem uma mecha de lã da cor que querem para a primeira saia. Da mesma foram que fizeram para o branco.

Passos 36 e 37 - Desta vez, em vez de colocar a mecha por baixo, vão enfiá-la pela cabeça da fada e para prender, vão picar debaixo dos braços, tentanto fazê-lo sobre uma linha seguida. Piquem à frente, atrás e de lado. Podem colocar a fada na extremidade da esponja com o braço de fora, porque ajuda a picar na zona debaixo dos braços sem os dobrar.

Passos 38 e 39 (falta a foto 38) - Quando picarem, vão verificar que debaixo dos braços, mesmo abrindo a mecha com a ajuda da agulha, poderá faltar cor para tapar todo o corpo branco. Se isso acontecer, devem arranjar mais um pouco de mecha, pegando na lã mesmo na ponta da mecha e puxar apenas com a pontinha dos dedos. Para assim retirarem mesmo uma mecha com pouca quantidade de lã. Coloquem estes bocados de lã debaixo dos braços e piquem, reforçando bem para não se soltarem.

Quando se pica a saia/corpo branco e as outras cores, devem picar de forma segura e profunda, permitindo que a agulha entrelace as fibras da lã, ultrapassando as diversas camadas, na zona da cintura.

Escolham a segunda cor para a saia de cima, e repitam todo o processo da 1ª cor. Deverá ficar com se mostra nas fotos 40 e 42.

Passo 40 - Para executar o cinto torcido tricolor, preparem mechas das cores que preferirem com cerca de 15 cm - permitirá dar 2 voltas à cintura da fada, mas podem dar apenas 1 volta (em princípio ficará melhor utilizar as cores da própria fada, mas isso depende dos gostos).

Passo 41 - Com a agulha piquem de forma a prenderem as três cores à esponja e comecem a enrolar, com o cuidado de deixar as 3 cores à mostra, esticando sempre.

Passo 42 - Comecem por picar o início do cinto ou atrás ou debaixo de um braço. Depois vão enrolando na cintura da fada e a própria lã. Quando acabar piquem nas zonas de transferência das diferentes cores. Vão ver que não se notará e permite que se fixe bem à cintura da fada.

Se quiserem podem fazer apenas com uma cor (cinto normal). Para isso basta preparar uma mecha, começar a picar debaixo de um dos braços e ir enrolando até acabar a lã e tentar voltar a picar, para finalizar, debaixo de um dos braços ou atrás, para não se notar.

No fim destes passos, dobrem os bracinhos, dando a forma que quiserem. Eu prefiro que fiquem como estão na imagem, nem muito abertos nem muito fechados... harmoniosos.


Cabelo e trança

Passo 43 - Preparem um pequena mecha da cor que querem para o cabelo.

Passo 44 - Coloquem a mecha em cima da cabeça da fada.

Passo 45 - Neste exemplo, fiz risco ao lado na fada. Mas podem fazer risco ao meio ou de outra forma. Comecem a picar, segurando firmemente com a outra mão (cuidado para não se picarem!), até à parte de trás da cabeça.

Passos 46 e 47 - Com cuidado vão picando o cabelo de um dos lados, esticando-o, na zona do pescoço para segurar o cabelo de lado, puxando para trás, para rematar no fim.

Passo 48 - Repetir o mesmo para o lado contrário. À frente ficará estranha, podendo até tapar grande parte da cara.

Passo 49 - Com a agulha, mas com cuidado, vão enfiando para dentro e dando forma ao penteado, tendo em conta a cara que imaginam para a fada.

Passo 50 - Preparem uma mecha, com metade da largura da mecha original, para a trança.

Passo 51 - Prendam a mecha, picando na esponja.

Passos 52 e 53 - Comecem a fazer a trança, tendo atenção para não apertar demasiado, nem a deixar muito "gorda". No fim, piquem umas 2 ou 3 vezes apenas para prender.

Passo 54 - Com a ponta de uma mecha (mesmo pequenina, uma "farripa"), comecem por picar para prender, para fazer o "elástico" para prender a trança.

Passos 55 e 56 - Enrolem e piquem com cuidado, de preferência com a agulha fina, para não sair muita lã do lado contrário. No fim de enrolarem toda a mecha, finalizem com poucas picadas, mas prendendo bem.


Trança e flor enrolada no cabelo

Passo 57 - Coloquem a trança na parte da frente da fada, para terem noção do enquadramento e do comprimento. Segurem-na no braço.

Passo 58 - Comecem por picar no ombro, mas nas zonas de entrelace da trança, para não se notar. Continue a picar até "dissolver" a lã do início da trança, na parte de trás da cabeça, disfarçando o mais possível. Convém que a trança não tenha muita lã no início, pois será mais difícil disfarçá-la na parte de trás.
Há quem faça a trança directamente da mecha do cabelo. Eu acho que assim é mais fácil e não fica menos perfeito.

Passo 59 - Preparem uma mecha muito, muito fina, para a flor enrolada para o cabelo.

Passo 60 - Enrolem bem com os dedos, vão ver que irão formar rolinhos de lã. Depois de bem enrolada a lã, já não se desfaz.

Passo 61 - Com a agulha (depreferência a fina), piquem as flores ao cabelo da fada. Eu nesta fada, juntei rosa e verde, para fazer as flores enroladas. Podem ter de fazer 2 ou 3 florzinhas destas, porque para prender ao cabelo, vão ficar meio escondidas.


Fio de pendurar
Passo 62 - Preparem cerca de 50 cm de fio de nylon e uma agulha grossa, com buraco largo.

Passo 63 - Façam um nó na ponta, unindo as duas extremidades do fio.

Passo 64 - Enfiem a extremidade contrária ao nó no buraco da agulha, sem dobrar muito o fio, para não marcar.

Passo 65 - Espetem a agulha nas costas da fada, passando por trás do cinto, apanhando bem o corpo da fada.

Passo 66 - Antes de puxarem o fio até ao fim, passem a agulha pelo meio da volta do fio, perto do nó, como na foto.

Passo 67 - Depois de puxarem o fio, já bem preso, espetem a agulha na zona da "nuca" da fada, de forma a que saia na zona central da cabela em cima, para que depois de pendurada a fada fique direita.
Passo 68 - Irá ficar como nesta fotografia.

Passo 69 - Ao longo da construção da fada, devem continuar a dar forma à fada. Pendurem-na pelo bico de baixo segurando com uma mão e picando ligeiramente com a agulha. Rodando e picando...

Asas

Passo 70 - Preparem um mecha com cerca de 10 cm de comprimento e outra muito fina (mas larga) em cor constrastante para coloca em cima.

Passo 71 - Apertem com a mão ao centro da mecha e coloque a mecha nas costas da fada.

Passo 72 - Piquem com a agulha L, de forma profunda e firme, seguindo uma linha. Por vezes irá sentir o fio de nylon, por isso tento evitá-lo, para não partir nenhuma agulha.

Passo 73 - Depois de bem picadas, as asas ficarão bem presas. Com a ajuda da agulha, endireitem-nas.

Passo 74 - Vista de frente, depois de estarem as asas colocadas e penteadas.

Passo 75 - Vista da fada pendurada e finalizada.


Notas:

Há quem coloque nas fadas laca fixadora. Eu recomendo que tenham atenção se o fizerem. Não coloquem o spray junto à fada, pois esta irá ficar pegajosa. Mantenham uma distãncia de cerca de 20 cm (pelo menos), este fixador irá ajudar a manter a forma da fada, muito embora elas fiquem mais bonitas, com a lã natural.

Se com a viagem do envio ou depois de algum tempo guardadas em caixa, podem ficar deformadas. Basta que com uma mão segurem no fio e com a outra a moldem novamente, empurrando-a para cima, tentanto darem-lhe a forma arrendondada que tinha no início.

Tendo em conta que são executadas em lã 100% merino (ovelha) com o tempo e se estiverem colocadas em zonas de calor, podem feltrar naturalmente, aumentando de volume. Não estranhem, é normal. Podem voltar a penteá-las com a agulha.

Se acharem que ficaram com pó (natural!), podem soprá-las com a ajuda de um secador de cabelo, sem temperatura (frio) e com pouca potência.



Espero que aproveitem e que tenham gostado do tutorial das fadinhas. Deu bastante trabalho e continuo a dizer que aprender ao vivo com alguém é sempre preferível, mas como já inúmeras vezes me pediram para tentar mostrar, cá fica!

Pensem que com a partilha todos ganhamos... os conhcecimentos devem ser transmitidos, porque também foi assim que aprendemos :) e ao guardar tudo para nós, ninguém ganha!

Bjos para todas   :) e agora deêm asas à vossa imaginação !

24/02/12

Passatempo no Facebook, para ganhar uma fada!

Vou fazer um concurso para dar uma fadinha a um(a) seguidor(a) da Terra de Cores do Facebook  (http://facebook.com/terradecores) !

As regras são:

- Comentar a fotografia da fada que se encontra em concurso, no post próprio (não contarão os comentários a outras fotografias);

- Pedir "likes" aos amigos;

- O/A autor(a) da frase que tiver mais "likes", até às 18h00 do dia 01/03/2012, ganha a fada.

Fada a concurso: feltrada com agulha (needlefelting), em tons de branco, rosa e verde. Cinto tricolor torcido e cabelo louro, com trança de lado.

Nota: O envio é por minha conta, apenas para Portugal (Continental e Ilhas), em correio normal.